O que esperar da Primavera?

Meteorologia      segunda-feira, 15 de outubro de 2018

Compartilhe esta página com seus amigos

        A estação tão aguardada devido ao retorno da regularidade das chuvas na região central do Brasil terminará no dia 21 de dezembro. Durante a Primavera temos um período de transição entre as estações seca e chuvosa na região central do Brasil.

        Sendo o Brasil um país com grande extensão territorial, a Primavera não possui as mesmas características em todas as regiões do país. No litoral leste da Região Nordeste, por exemplo, temos historicamente o período mais secos entre os meses de setembro, outubro e novembro. Porém, nas Regiões Centro-Oeste, Sudeste e centro-sul da Região Norte as chuvas se iniciam nesta época do ano. Essas regiões terão, com maior frequência, pancadas de chuva geralmente no final da tarde ou noite devido ao aumento do calor e da umidade.

        Durante a Primavera, as temperaturas aumentam gradativamente nas Regiões Sul, Sudeste e Centro-Oeste, podendo atingir temperaturas máximas muito elevadas em função da forte radiação solar e da maior frequência de dias com céu claro.

       O mês de outubro começou favorecendo principalmente os produtores da região Centro-Oeste e do estado de São Paulo, como podemos ver no mapa abaixo. Oeste do estado da Bahia e norte do estado de Minas Gerais continuam sendo castigados pela seca.


 

E o El Niño? Será que vem mesmo?

        Tudo indica que teremos a ocorrência do fenômeno El Niño no final da primavera de 2018 e início do verão de 2019. De acordo com os principais centros internacionais de Meteorologia, a probabilidade de ocorrência do El Niño está superior a 60% e deverá ser de curta duração e com intensidade baixa ou moderada.

Produtividade X El Niño

          Em algumas regiões do Brasil, a produtividade da safra de 2015/2016 sofreu com a influência de um El Niño muito forte.

          Na safra 2015/2016, a produtividade do feijão sofreu uma queda nas regiões Nordeste e Centro-Oeste, como pode ser observado no gráfico abaixo. Nas áreas de atuação da iCrop, os estados que tiveram a maior queda de produtividade foram Bahia, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul e Distrito Federal.

          Para a mesma safra, a produtividade do milho sofreu mais os efeitos provocados pelo El Niño forte, como podemos observar nas figuras abaixo. A região com maior queda da produtividade foi o Centro-Oeste. Dos estados analisados, o que apresentou a maior queda de produtividade foi o Distrito Federal.

        Ao analisar a produtividade da soja na safra 2015/2016 (gráficos abaixo), as regiões norte e nordeste apresentaram a maior queda na produtividade. Em contrapartida, a região sudeste apresentou aumento da produtividade.

       Dentre os estados estudados, a Bahia apresentou a maior queda na produtividade da soja. Em contrapartida, os estados de Goiás, Minas Gerais, São Paulo e Distrito Federal apresentaram aumento da produtividade em comparação com a safra de 2014/2015, como podemos ver nos gráficos abaixo.

          Espera-se que o próximo episódio do El Niño seja fraco ou moderado, desta forma os efeitos sentidos pelos plantios serão menores que os apresentados acima.

Projeções para as regiões do Brasil

       Em todo Brasil, as previsões indicam maior probabilidade de ocorrência de temperaturas acima da média histórica.

Região Norte

       As chuvas serão distribuídas irregularmente pela região com maior probabilidade de áreas com chuvas ligeiramente abaixo ou dentro da média histórica.

Região Nordeste

        A maior área da região apresenta a probabilidade de ocorrência das chuvas próximas a média histórica ou ligeiramente abaixo.

        Durante anos de El Niño, a região de Luís Eduardo Magalhães tende a apresentar precipitação ligeiramente abaixo da média histórica no segundo semestre do ano.

Região Centro-Oeste

        Na porção norte do estado do Mato Grosso e na porção oeste do estado do Mato Grosso do Sul a chuva tende a ficar acima da média histórica. O restante da região Centro-Oeste tende a ficar ligeiramente abaixo da média histórica.

        A diferença da chuva entre anos de El Niño e a média histórica, nas cidades analisadas, quando houve foi pequena. De outubro a novembro a cidade de Formosa apresentou as maiores diferenças por mês.

Região Sudeste

        No estado de Minas Gerais e metade do estado de São Paulo a chuva deverá ficar ligeiramente abaixo da média histórica. Já no oeste e sul do estado de São Paulo, ligeiramente acima da média.

       Na maioria das cidades analisadas, para essa região, podemos observar que a diferença entre a média histórica e a média dos anos com El Niño foi pequena. Guaíra e Uberlândia apresentaram valores maiores de chuva em anos com El Niño. Em contrapartida, Patrocínio e Unaí apresentaram valores menores de chuva em anos com El Niño.

Região Sul

       As chuvas deverão ficar acima da média histórica nos três estados da região.

Volume útil dos reservatórios

          As chuvas de 2018 estão se mostrando bem localizadas. Alguns reservatórios estão operando com quase 100% do volume útil enquanto outros estão operando a menos de 25%.

          Em 2018 os reservatórios de Serra da Mesa, Queimados e Três Marias indicaram que as chuvas foram mais fartas em relação ao ano de 2017, como podemos observar nas figuras abaixo. Infelizmente, mesmo com o aumento do volume útil em 2018, o reservatório de Serra da Mesa apresenta valores inferiores a 25%.

          Em contrapartida, nas regiões dos reservatórios de Furnas e Nova Ponte as chuvas de 2018 não foram suficientes para superar o volume útil do ano de 2017, como podemos observar nas figuras abaixo.

Fontes da pesquisa do boletim: iCrop, INMET, CPTEC, ANA, Conab.

Veja também: Cliente iCrop leva primeiro lugar no Concurso dos Cafés Campeões 2018


Cadastre-se e fique por dentro das novidades.